quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Numismática (II) Arqueologia (IV) Campo Arqueológico de Pias (I)

Partilho artigo publicado (em Inglês) na Índia acerca de um Projecto que vem sendo delineado de há alguns anos a esta parte e que aos poucos se vai tornando visível em Portugal e no Estrangeiro.
Com a colaboração progressiva de imensos colegas de diferentes áreas do conhecimento humano.
Segue o link:Espero que gostem.

https://www.academia.edu/28503981/Animal_Depictions_on_Inedite_Archaeological_Artifacts_from_Pias_Serpa_Beja_Portugal_

Animal depictions on Inedite Archaeological Artifacts from Pias (Serpa, Beja, Portugal)

"The recent works carried out by the Portuguese State in Pias (Alentejo), with the construction of a complex system of irrigation and dams made of this a case study also in archaeological terms. Unpublished materials that are to be here the subject of study and deserved the preparation of this article also occurred because the animals represented in these form of objects are in some cases of extreme rarity: eagle, horse, bull, dog, wolf, goat, bird. Hundreds of coins and other materials mainly in bronze as dozens of new sites thus reflect the reality of a past that remained so far unknown to the communities. The animals that appear represented in many of these objects, thus coating its symbolic functions are in some cases even representations of divinity itself, such as the case of Ataegina / Ataecina. The present article shows how those days communities respect and identify with all the animals depicted in such a way."

sábado, 18 de junho de 2016

Numismática (I) Faro (I)

Numismas da Horta da Misericórdia (Faro): Catálogo Geral

Partilho aqui um trabalho que é fruto de um percurso longo e laborioso.

http://hdl.handle.net/10400.1/8416

Para todos os que se possam interessar por estas temáticas relacionadas com a Numismática em geral.
Deixo as palavras elogiosas que o Professor Doutor Luís Filipe Oliveira escreveu no Prefácio da obra em si, e que muito me honram e motivam na busca contínua da auto-superação diária e crescimento Humano e, enquanto investigador.
Que os trabalhos futuros que se avizinham tenham igual desfecho.

Prefácio

Não é frequente que um jovem investigador se disponha a percorrer duas vezes o mesmo caminho. A retoma de um trabalho anterior é tarefa entregue, quase sempre, a investigadores mais experientes. Só eles têm o saber, e, sobretudo, o distanciamento e a paciência necessárias para revisitar antigos textos e para os reformularem com base em novos contributos e em novas reflexões, ou a partir de um olhar e de uma perspectiva diversa, em proveito de todos. Só eles sentem, também, por vezes, o apelo da vida para recomporem a sua produção científica e lhe garantirem melhor futuro. Habitualmente, são outras as motivações dos investigadores em início de carreira, mais atentos às novas metodologias e às novidades de pensamento e de linguagem, ou à exploração de outros campos de pesquisa e de saber. A isso os convida, muitas vezes, a procura de um lugar e de uma voz própria, em confronto com a geração que os precedeu, por muito que esta lhes tenha aberto e preparado o caminho.
Mas não há panorama sem excepções, como sempre. Uma delas é o trabalho de Marco Valente que aqui se apresenta e no qual ele retomou, completou e reformulou, o estudo que serviu de base à sua dissertação de mestrado, apresentada e defendida em 2012 na Universidade do Algarve. Na ocasião, havia identificado uma colecção de 319 moedas, datadas entre os fins do século XII e os finais do século XV, todas saídas das escavações da Professora Teresa Júdice Gamito na Horta da Misericórdia, dentro da vila velha de Faro. Juntou-lhes agora quase outras tantas (281), igualmente provenientes do mesmo sítio arqueológico, além de um segundo volume de catálogo, com a fotografia, a identificação e a descrição detalhada de todos os numismas. Quanto mais não fosse, já era trabalho útil, mas também necessário, pois o desaparecimento da Professora Teresa Gamito não permitia recuperar os contextos arqueológicos das peças. Por tudo isso, a consulta e a leitura dos dois volumes de catálogo será certamente imprescindível para quantos se interessam pela história da cidade e pela ocupação da vila velha.
O Marco Valente quis ir, porém, ainda mais longe. Por certo insatisfeito com o texto que apresentara em 2012, decidiu em boa hora reformulá-lo, ampliando reflexões e corrigindo erros, ou melhorando algumas das identificações propostas. Entre estas, há que destacar a revisão do numisma então atribuído a Sancho I e que foi ora associado a Sancho II, um dos monarcas melhor representados nesta colecção. Também melhorou partes significativas das suas análises, quer em questões mais técnicas, quer no universo da interpretação histórica. Muitas das suas observações são merecedoras da melhor atenção dos investigadores, para as discutirem e avaliarem. Entre elas, importa citar as que respeitam ao aperfeiçoamento da arte de bater moeda durante a primeira dinastia, ou à provável existência de uma oficina de moeda em Faro, em época de Afonso V. Mas, sobretudo, aquelas outras sobre o elevado número de numismas de Afonso X de Castela presentes nesta colecção, e, em geral, sobre a importância da moeda castelhana que circulava nos mercados de Faro e do Algarve. Tudo isto parece anunciar um investigador experimentado, capaz de trabalhos de maior vulto.
Luís Filipe Oliveira

sábado, 4 de junho de 2016

Poemas soltos (IX)

À rapariga corvo

Perco-me todos os dias a pensar
Na doce candura desse teu sorriso
Num breve esgar vislumbro assim o Paraíso
Nunca me fartando, nunca… de o lembrar

Os beijos que anseio ainda por te dar
São pássaros que voam sem cessar
Às árvores onde repousas qual menina
Em tua pele ardente ao Sol-pôr

Pele escura, da noite campesina
Sombra que pela Luz se torna flor
E tuas pálpebras abrindo de par em par
Possam as estrelas da tua íris revelar

Prostrado, quedo-me assim a teus pés
Teus dedos frágeis, quais ornamentos de Altar
Sou pequena ave que ousa assim se aproximar
Daquela Fonte que hoje meu Mundo tu és.

Adormeço pedindo em meu rezar
De quem não sabe por vezes que falar
Ao certo uma verdade é quanto há
Todos os dias terei, saudades de saber onde está

O Anjo que com toques de violino
Vida voltou a dar a este passarinho
E qual Fénix erguendo-se renascida
Abraça a Luta daquela que lhe deu Vida

Marco Valente, 04-06-2016

Adivinhas (V)

Hoje acessório de distinção, tempos houve em que todos os possuíam, mesmo que meramente electrónicos e mais em conta.

Os Homens me dão Governo,
E aos Homens Governo dou,
Se eles se esquecem de mim,
O meu governo acabou.

Resposta: Relógio

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Antas (I) Etnografia (V)

Recolhemos e disponibilizamos a partir de hoje também, uma série de testemunhos de pessoas entre os 50 e os 70/80 anos de idade mas que tomaram parte em escavações arqueológicas no passado.
Para que Honra seja feita a estes trabalhadores que na altura eram meninos, mas nos quais estas experiências mostraram produzir efeitos para o resto das suas vidas, sendo até aos nossos dias recordadas com orgulho em alguns casos, nostalgia noutros, mas sempre com respeito, admiração e gosto em falar de tais assuntos.
Ficam nestes singelos registos a nossa homenagem a esses Homens e Mulheres anónimos (e em muitos casos meninos) que contribuíram com o seu labor ao longo dos tempos em prol da Arqueologia Portuguesa.
Sem mais delongas apresentamos seguidamente o pequeno excerto fílmico e respectiva legenda, para que todos os públicos possam tomar contacto com tais testemunhos.

video


Testemunho de menino que colaborou nas escavações da Anta do Zambujal (Vidigueira, Selmes) em 1979: 

Entrevistador:                  “Isto é uma coisa muito rápida[1], é só dizer o seu nome, como é que
soube aqui das escavações e… o que é que achou… da experiência?
Sr. Paulo Duarte:             “Eu não tenho a certeza bem da data disso… se
o senhor está dizer que foi em 79… mas eu não tenho.
Portanto, isso foi a seguir ao 25 de Abril e então começaram a…. Fez-se
lá o Centro Cultural… em S. Matias e arranjavam coisas para os jovens,
vá. A gente ajudou também lá nos trabalhos de… de construção do
Centro Cultural. E a depois apareceu lá um rapaz que não era dali
mesmo de S. Matias mas namorava com uma rapariga de lá e era
muito interessado com essas coisas. E depois o pessoal vá, quando
começou também ninguém ligava porque não tinha conhecimento do
que se calhar do… do que era… as coisas. E depois aquilo havia muito…
vá… rapazes novos né, outros mais velhos, já com, com mais idade e
começamosse a interessar por aquilo. Aquilo começou a dar
entusiasmo ao começar a fazer as escavações e a encontrar alguma
coisa. E depois atínhamos um grupo grande, pronto, vínhamos todos
os Sábados… era, acho que era ao Sábado. Vínhamos sempre para aqui  [Anta do Zambujal] escavar até que se encontrou ah… vá… tá lá, tá lá ainda uns sacos cheios de coisas ainda há lá muito…
Entrevistador:                  “Que idade é que tinha na altura? 13 anos?”
Sr. Paulo Duarte:             “Atão… eu nasci em 66, se foi em 79, tinha 13 anos p’raí… eu já não me
lembro bem, mas deve ser, nessa altura.”
Entrevistador:                  “Muitíssimo Obrigado pelo testemunho.”
Sr. Paulo Duarte:             “De nada.”

Entrevista efectuada a 27/05/2016, algures na freguesia de S. Matias, próximo ao Monte do Azinhal.
Ficheiro editado com o programa MovieMaker, em formato suportado pelo YouTube.
Entrevistado: Sr. Paulo Jorge Inácio Duarte, 50 anos.



[1] Contexto de formação em frente de obra, com pressão (no bom sentido) do “chefe de equipa”, para agilizar a entrevista em si e o trabalhador em questão retomar as suas funções o quanto antes. 

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Poemas soltos (VIII)

À Chita (Acinonyx jubatus), animal indomável

Do Mar Mediterrâneo aos mares Cáspio e Aral
O seu reino já foi maior afinal

Quando era criança, queria correr como a Chita
As lágrimas negras e a face esbelta
As manchas no dorso adornando o seu corpo
Sonhara eu voar, correr sem parar

Nos documentários da BBC, ela era a rainha da Savana
Nomes de terras longínquas, que eu jamais ouvira até então
Afeganistão, Irão e até Uzbequistão…
Sons distantes que a terra abraça e emana

Da casa de um pobre miúdo de Gaia
Vogava eu assim no deserto onde o Sol raia
A sua cauda o meu leme, para estabilizar nas curvas
Horizonte longínquo, de linhas quentes bem turvas

Criatura mui nobre, das suas presas temível
Em estado de caça, usava o seu corpo flexível

E então aprendi, que no Mundo afinal
Ainda existia assim tão nobre animal
Mais uma espécie, milagre da vida

Jóia do deserto, noiva prometida.

Marco Valente
(escrito a 26/05/2016, sonhado "A Long Time Ago in a Galaxy Far Away", após ver um Programa da BBC, salvo erro com Sir David Attenborough).

sábado, 21 de maio de 2016

Poemas soltos (VII)

A certeza do incerto

Na casa dos mil espelhos
Não há portas, nem janelas
Quatro fachadas erguidas
De rebocos já caídos

Nos jardins da casa dos mil espelhos
Houve rosas, houve flores
Risos, lágrimas, amores
Formosos Cisnes vagueando nos lagos

Uma mansidão sôfrega e débil
Atordoa a mente que já não sente
Os vidros partidos da casa dos mil espelhos

Boiando embalado pela corrente
Sonho com a casa dos mil espelhos
A casa que nunca foi da gente
E a incerteza é tudo certamente…

Marco Valente 21/05/2016

Adivinhas (IV)

Eu no campo me criei,
metida entre verdes laços,
o que mais chora por mim
é quem me faz em pedaços.

A cebola

domingo, 3 de abril de 2016

Fantasmas, vultos e sombras (VI)

Maria Luísa Martins Rodrigues, 41 anos, natural de Osnabrück (Alemanha), a viver em Ferreira do Alentejo conhece várias estórias de fantasmas. Umas por intermédio de outras pessoas e outras porque as viveu na primeira pessoa.
Relatamos em seguida os episódios que conhece e/ou viveu, agradecendo a disponibilidade por si demonstrada para os relatar:

Os espíritos da Igreja da Misericórdia

Eu acho que já houve mais almas penadas. (…) Na minha adolescência dava para sentir as almas penadas.(…) Um sítio que eu achava que era mais «carregado», com muito sofrimento, era ali ao pé da Igreja da Misericórdia.(…) Cheguei a escutar a voz de uma mulher num sofrimento muito grande. Por isso não gosto de ir lá sozinha.

O fantasma do «Conde» do Museu de Ferreira do Alentejo

Na zona do Museu existem vários fantasmas. Porque uma parte deste edifício chegou a ser um tribunal e uma prisão.

Existia um «Conde» (que não era bem Conde, a mãe era Baronesa). Mas ficou sempre conhecido como o «Fantasma do Conde». (…)
O «Conde» era muito boémio e ele tinha quantas mulheres queria e lhe apetecia à vontade.
A Baronesa [sua mãe] queria que ele casasse, mas ele não havia meio de o fazer./
Creio que foi com uma inglesa (que ele foi a Inglaterra ou ela veio cá), que ele se apaixonou. E essa rapariga, essa dama, tinha olhos claros. E ele encantou-se pelos olhos da rapariga. Ela foi para o país dela e ele ficou cá e, naturalmente, os seus «affaires» continuaram. Ele ali em casa tinha uma criada mais ou menos da idade dele. Esta começou a fazer parte dos «affaires» dele e a sua mãe, a Baronesa descobriu e a Dama inglesa também descobriu que ele não era homem de uma, nem duas, nem de três mulheres. Por que ele era uma figura bem parecida, muito atractivo. Ela nunca mais quis saber dele. Ela na terra dela e ele cá.
Com a criada continuou os seus «affaires». A Baronesa não queria que esse caso continuasse.
A Baronesa tinha um caniche que costumava levar ao colo. Um dia a Baronesa estava a descer as escadas que vão hoje para o primeiro andar do Museu. A dita criada estava lá em cima a fazer os trabalhos dela e apercebeu-se que a Baronesa ia descer as escadas. Ela sabia que a Baronesa não gostava nada dela e já a tinha ameaçado de a mandar embora se ela não terminasse os «affaires» com o seu filho. A Baronesa desceu um, dois ou três degraus e a dita criada veio por trás e empurrou-a. E a Baronesa morreu. [O fantasma desta criada continua a surgir no Museu, tendo inclusive tentado empurrar uma funcionária pelas escadas abaixo há algum tempo atrás].
O Conde acabou por nunca casar, mas ficou sempre com a dita inglesa na memória, porque ele tinha um fascínio por mulheres de olhos claros. (…)
Há alguns anos atrás o Museu estava em obras, também numa das partes que tinha sido a cozinha. E então, eu não sei bem o que é que eu fui fazer lá acima (se fui à procura de alguém, se fui buscar qualquer coisa, já não sei). Fui pela zona do quintal, subi as escadas, entrei e, naquela zona da chaminé do Museu, na cozinha, estava ali uma mesa à frente (onde eles tinham as coisas todas, papéis e isso). A chaminé, sabe o que é que foi uma luz? Um clarão laranja e ao mesmo tempo amarelo? (…) Sei que olhei, quer dizer, eu vi foi um clarão. Por acaso estava tudo muito escuro, estava com as janelas fechadas, e à frente muito escuro. Ainda mais aquele dito clarão sobressaia, quer dizer, deu para ver que estava ali a chaminé e o dito clarão. Depois com aquele clarão, fiquei…. dei assim um passo, assim para o lado e isso. E de repente desse dito clarão, senti tipo um vento assim tipo a passar e as portas à frente assim, tipo como se tivesse alguém passado. Eu só tive tempo de avançar, e ir para as portas e ouvir os passos no soalho. Pesados,  uns passos pesados, aquelas botas mesmo, e ver assim de costas uma figura, mas não deu para definir a figura. Eu continuei e foi até à outra sala e perdeu-se.
Fiquei assim, mas…. Eu sei que vim para baixo, quer dizer, não tava à espera de um contacto assim tão próximo. Foi mesmo e, pronto claro, eles notaram que eu vinha super nervosa. Tive a contar a estória e isso, fiquei assim. (…)

Ele [o «Conde] um dia, foi comigo para casa. Não me pergunte porquê. Eu não senti que ele ia comigo. Eu quando cheguei a minha casa. Entrei em casa, deixei as coisas lá em cima, desci as escadas, fui para a cozinha e ao passar no corredor, tenho a sala no lado direito com os cortinados brancos. E as janelas estavam abertas(…)
Olhei para o lado e vi assim, mesmo de perfil, com um sobretudo antigo, preto, o perfil do «Conde». (…) Mas não foi só dessa vez, depois começou-me a aparecer mais claro. (…) da outra vez foi na sala de estar e estava no sofá. Mas aí já apareceu claro e eu fiquei assim, isto é impossível l!!!
Ele de vez em quando aparece. Mas a mim nunca me fez mal. Eu acho que no Museu chegaram a ver este fantasma. Um dos trabalhadores das obras do Museu chegou a ver alguma coisa. Quando ele [o «Conde«] estava por perto (aparecia) sentia um odor perfumado – como os cheiros de casa da minha madrinha quando ela fazia perfumes em casa.
Depois já não o visualizava mas sentia a sua presença.


As almas do Palacete

Uma zona com uma carga muito negativa, que diziam ver passar almas penadas é em frente ao Palacete, na Rua Conde de Vilhena. E chegaram-me a dizer que sentiam, que viam almas a passar lá dentro do edifício. Ali era uma zona muito carregada.

O Espírito que aparecia às crianças

Quando eu era pequena eu e o meu irmão dormíamos no mesmo quarto em camas separadas. Eu dormia com a cabeça em frente à porta e o meu irmão dormia com a cabeça para a parte da porta. E aconteceu numa noite, da janela e isso, com as luzes da rua lá fora, pelo cortinado, de ver uma figura também preta, com um chapéu de copa alta, barba (deu para definir que tinha barba) e com um nariz aquilino. E, tipo, debruçado sobre a cabeceira do meu irmão, a olhar para ele. E, parece-me que ele tinha um daqueles casacos antigos, assim mais largos nos ombros. Mas a minha mãe também (depois contei à minha mãe…), ela disse-me depois, que também tinha visto essa figura, esse mesmo homem, mas na casa da minha falecida avó. A casa que é praticamente em frente (não é bem em frente é um bocadinho mais acima). Mas também a viu, viu lá em casa, viu quando era pequena, a mesma figura que não sabe quem é chegou a visualizar a mesma figura, uma figura antiga.

O filho que morreu duas vezes

Este caso terá acontecido no século XIX, aqui em Ferreira do Alentejo.
A Capela de Santo António fazia parte de um solar que já não existe, pertença de uma família espanhola. Esse casal tinha um filho ainda jovem. Um dia, parecia que ele tinha morrido (mas estava em coma) e os pais velaram-lhe o corpo. Enterraram-no aqui na capela, mas pareceu-lhes escutar um gemido. Levantaram a pedra tumular e começaram a escavar para o desenterrarem. Quando finalmente chegaram ao corpo, este estava virado de lado, mas chegaram tarde demais, pois agora sim, o seu filho estava morto.
A dor com este episódio e com a perda do filho foi tanta que eles venderam a propriedade passado pouco tempo e foram embora daqui.

Sabe-se lá quantas pessoas nesses tempos terão morrido de tal forma…"

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Contrabando (I)

“(Foi um acontecimento passado nesta povoação nos anos 20 do século passado, os nomes das pessoas envolvidas são fictícios)

Mestre Romão Moita Mariano

O denunciante (uma história verídica)

Há muito que a guarda-fiscal não apanhava uma carga de contrabando.
Toda a aldeia sabia que o contrabando se fazia e quem eram os contrabandistas, contudo, ninguém se atrevia a denunciar quem quer que fosse. Era uma maneira como outra qualquer de ganhar a vida, e não havia quem quisesse ficar em “cheque” acusando essa pobre gente, que arriscava a vida para ganhar algum.
O capitão da guarda, que em Serpa ouvira uns “zunzuns” resolveu uma tarde visitar o posto da aldeia. Chamou o cabo e os soldados ao gabinete superior e ali com voz de trovão falara com aspereza aos seus subordinados.
“Isto tem de mudar! Vocês andam há meses a dormir na forma; o café vai para Espanha às toneladas, que eu sei que vai… mas vocês!... Não apanham, ou não querem apanhar esses traficantes. Se isto continuar vou transferi-los a todos.” Ficaram um pouco perturbados, ao ouvirem o desabafo do capitão naquela tarde.
O Chico Bailão, feitor da herdade da Amendoeira viera nessa tarde a fazer “avio” da semana, na sua égua preta. Depois de encher o alforge com artigos de mercearia, roupas, tabaco e vinho, fez por passar pela porta do posto da guarda-fiscal. Trazia um segredo consigo e uma grande vontade em revelá-lo.
Na herdade onde o Bailão era feitor havia o sítio denominado “os quatro caminhos” que era o ponto estratégico onde se juntavam os contrabandistas.
Há muito que o feitor suspeitava, uma noite pôs-se à “coca” escondido na ramada de uma azinheira, ficando ciente de como as coisas se processavam.
Quatro indivíduos montados em cavalos e em muares vindos de partes diferentes, juntavam-se ali no velho sobreiro junto aos quatro caminhos. Após trocarem meia dúzia de palavras, enquanto fumavam o seu cigarro ajeitavam as cargas de café e partiram a galope rumo á fronteira; uma vez lá chegados mudariam as cargas para outros animais da mesma espécie, mas estes provenientes de Espanha, conduzidos por Andaluzes que fariam o resto da transferência. Tudo isto era relatado, com certo regozijo pelo feitor ao cabo Lopes, que não podia esconder também o seu contentamento.
- Muito agradecido, amigo Bailão; não queira saber a vontade que eu tenho de apanhar esses “trunfos”! Disse o cabo ao despedirem-se.
A noite ameaçava chuva. Estava escuro como breu. O cabo Lopes reunindo com os soldados da guarda-fiscal, contou-lhe o sucedido, combinando logo para aquela noite, a emboscada. Iriam jantar, depois partiam imediatamente.
Era já quase meia-noite na taberna do tio Valente, ainda se ouviam umas vozes altas, muito embora amistosas de três homens que teimavam esgotar o garrafão que o velho colocara em cima do balcão.
Impaciente, a pata faiscando de vez em quando, pela fricção da ferradura no duro granito da calçada. A égua e o taberneiro, já estavam ali pelos cabelos!... Começava a cair uma chuva miudinha. O Bailão ajudado pelos dois companheiros, lá conseguiu estribar-se na mansa égua que o levaria ao monte da herdade da Amendoeira.
O animal partira num trote rijo, rasgando a noite, cortando o denso nevoeiro, sem se afastar um decímetro sequer da espinha da carreteira parando só quando alcançasse a rua do monte da herdade. O seu dono bêbado que nem um cacho, sabia que assim era, não tinha a menor dúvida nem o menor receio.
Já várias vezes isso tinha acontecido, meteu os pés nos estribos, juntou as mãos, com as rédeas presas junto à crina da égua e deixou-se levar pelo inteligente animal.
Havia junto aos quatro caminhos um silvado espesso que denunciava um estreito barranco pequeno afluente do rio Guadiana. Foi ali onde os seis guardas se esconderam de arma apertada à espera que os contrabandistas surgissem. O cabo Lopes riscara um fósforo para ver as horas, “é meia-noite e quarenta”, murmurou, “cheira-me a fracasso!...” Pouco depois um frouxo ruído quebrava o silêncio sepulcral daquela noite. De imediato não o souberam distinguir, pois que a terra lamacenta dava um eco diferente aos passos do animal; mas quando este passou por eles tiveram a certeza que era uma besta, um homem e uma carga. O cabo Lopes gritou:
- Para quem aí vai! Alto!, gritaram os guardas em coro; mas a égua do Bailão, talvez das vozes que não esperava, assustou-se e multiplicou a passada. Foi então que seis balas saíram simultaneamente dos canos das carabinas, indo uma delas alojar-se no tronco do infeliz Bailão.
Como de costume, a égua só parara na rua do monte. Um corpo morto, com um cotovelo metido na boca do alforge e as botas encravadas nos estribos, sangravam sobre o animal.
Ainda a manhã mal tinha despontado, já havia um certo burburinho na terra.
A mulher do regedor ia informando aquela gente cheia de curiosidade: “Vieram esta madrugada chamar o meu marido! O sr. Bailão chegou morto ao monte da Amendoeira. Ninguém sabe quem o matou.
As pessoas arredavam, vindo outras ocupar o seu lugar. Todas movidas pela mesma curiosidade que é natural quando estes casos acontecem.
Já o sol naquele dia se escondera e ninguém sabia quem era o assassino!
Nem os próprios guardas o poderiam saber!... Foi o cabo Lopes? Foi o guarda Aniceto? Foi o Moreno? Foi algum dos outros três? Dispararam os seis quase ao mesmo tempo, uma só bala fez tombar o Bailão e a noite escura, caprichosa, encarregou-se de esconder o resto.

1980
Romão Moita Mariano”


(Fomos informados na altura que esta história já teria sido publicada, salvo erro, no Diário do Alentejo. Recolha efectuada a 07 de Julho de 2014).

domingo, 20 de março de 2016

Adivinhas (III)

Sou um pobre soldadinho,
minha casa não tem telha;
quando vou entrar p'ra ela
É preciso entrar de esgelha.

Botão

sábado, 19 de março de 2016

Capelas (III)

Capela de Escamarão

Na Capela de Escamarão (Soutelo, Cinfães do Douro), existem três grutas: a da fome, a do ouro e a da peste [como as versões que falam em três arcas que contêm o mesmo].
Diogo Moreira

A saída, dizem os mais velhos, só a do Ouro a pode mostrar. Esta iria dar à Ilha dos Amores [idêntica em tudo à dos Lusíadas de Luís de Camões].
Era o avô, António Ferreira de 72 anos, nascido e a viver em Souzelo que lhe contava esta história.

Informante: Sr. Diogo Moreira, 22 anos, natural de Souzelo. Recolhida a 10/08/2015 no Reservatório da Cegonha, Selmes, Vidigueira, Beja.

*Nos nossos dias (Portugal é um país de tradição religiosa judaico/cristã) é muito natural quando questionamos acerca de lendas que as pessoas se lembrem de ouvir aos mais idosos, as mesmas envolvam capelas ou santos do calendário litúrgico católico apostólico romano.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Contos de Moiros e Moiras (III) Capelas (II) Santa Maria Maior (I)

Junto à Capela de Santa Maria Maior em Tarouquela (Cinfães do Douro) surgem "pedras antigas" e dizem os mais velhos que os "Mouros" a mudaram numa noite cerca de 1km / 1.2km de distância desde o seu local original.

Cláudio Silva

Também ouviu o informante (natural de Carril / Tarouquela / Cinfães do Douro) dizer à sua avó, a Sra. Dona Augusta dos Santos Vieira (falecida há cerca de um ano com a idade de 104 anos), a seguinte frase:

"Entre Carril e Carrela, está o cordão [em ouro] de Maria Tudela!"

Dizia a sua avó que a Maria Tudela teria sido uma grande e riquíssima proprietária daquela zona, que teria desta forma deixado um tesouro guardado para quem o quisesse descobrir.

Informante: Sr. Claúdio Silva, 38 anos, natural de Todovelos, Tarouquela, Cinfães do Douro